Avançar para o conteúdo principal

História




Barosa


 
No ano de 1714 foi desanexada da freguesia de São Pedro, com uma confraria e com uma ermida a S. Matheus.

 Nova igreja paroquial, solenemente benzida e dedicada, em 16 de Abril de 2000.



História da Barosa

Barosa, nome originário de Barrosa, povoação da freguesia de São Mateus, da província da Estremadura, concelho comarca, e distrito de Leiria, da Diocese de Leiria Fátima. A paróquia da Barosa, é constituída por um conjunto de pequenas aldeias, estas a que nos referimos são:
- Barosa; Cabeças Redondas; Carreira de Água; Moinhos da Barosa; Picheleiro; Sobreiro; Vale de Arieira; Vale Frade; Pinhal Manso; Ponte das Mestras
A Paróquia da Barosa fica situada numa encosta na margem esquerda do rio Liz.


A Barosa pertencia outrora à freguesia de São Pedro de Leiria, formando com as paróquias actuais de Parceiros, Azoia e Barreira, a chamada “repartição da Barosa”.
Nesta aldeia existiam duas ermidas: a de Nª Senhora da Guia, pertencente ao lugar de Moinhos, que era muito venerada pelos povos dos arredores, havendo dela referencias entre os anos de 1709 e 1721.
A outra ermida era a de São Matheus que foi construída em 1609 pelos seus moradores, para a administração dos sacramentos.
Foi essa ermida que mais tarde (1717) passou a ser a igreja paroquial. Na realidade a freguesia já estava criada pelo menos a 28 de Dezembro desse ano, data em que foi extinta a freguesia de S. Pedro de Leiria, embora tenha sido reconhecida só em 1714.

Existiam nesta paróquia três confrarias: a de S. Mateus; a do S. Sacramento e a dos defuntos.
O “Couseiro” (livro escrito nesta época) conta-nos um facto curioso a respeito dessa última confraria: “ Tinha a confraria por obrigação dar de comer, dos bens do defunto, aos compadres que o acompanhavam, e, não lho dando, não eram obrigados a rezar-lhes as orações que eram costume.” Acrescenta o mesmo livro que isto já se tinha modificado no ano de 1542. Em 1721 haviam duas confrarias: a da Senhora do Rosário e a de Santo António. (O livro da confraria de Nª Senhora do Rosário existe ainda no arquivo desta paróquia com data de 1892) Neste livro da Confraria de Nª Senhora do Rosário encontram-se as razões da criação da mesma confraria:

Importancia e garantias que lhe offerece a irmandade de Nossa Senhora do Rosário da freguesia da Barosa: Em virtude dos muitos melhoramentos que atualmente necessitana Egreja da Barosa, e atendendo mesmo aos seus poucos rendimentos, a junta da parochia da mesma freguesia, d`acordo com o R.moParocho, determinou instituir a irmandade de Nª S. do Rosário, a fim de tirar uma verba para fazer face às despezas de que tanto a mesma carece.

Em 1709 e 1721, há referências a uma capela nos Moinhos da Barosa dedicada a Nª Senhora da Guia.
A freguesia pertencia à casa do infantado, a qual pagava o oitavo do vinho e do linho. Era o povo que escolhia o seu pároco e o apresentava à aprovação do Sr. Bispo.
Ainda no século passado, existia nesta freguesia uma casa destinada ao abrigo de mendigos, aos quais se fornecia gratuitamente, cama e luz.
O amor aos pobres e a hospitalidade com que recebe os seus visitantes são ainda hoje, atributos preciosos da boa gente desta freguesia.  



Festas:
Realizam-se duas festas: A festa de São Mateus e a festa das Colheitas. A festa de São Mateus em tempos anteriores ocupava 4 dias, dos quais dois dias eram para os preparativos com grande entusiasmo e dedicação, e os outros dois dias eram a festa propriamente dita.
A festa das colheitas, ainda hoje se realiza. Faz-se procissão. A festa consta, das ofertas feitas pelas pessoas, ofertas essas originárias do produto das suas colheitas. Esta festa é já muito antiga, e nasceu como agradecimento feito a Deus pela boa produção que da terra se obteve, daí que ela se realize só no final do ano, na época das colheitas. De manhã vão chegando ao recinto da igreja os andores, enfeitados com graciosidade e encanto

Descrição da antiga Igreja Paroquial
A igreja têm uma só nave e três altares; no maior está a imagem de S. Mateus que é o padroeiro desta aldeia, ficando no meio o Sacrário. Nos altares colaterais da parte da Epístola sai uma imagem da Senhora do Rosário, a qual se costuma levar nas procissões que se fazem ao longo do ano; É também muito venerada pelo povo. Junto do mesmo altar (na parte do Evangelho) fica a imagem do Santo António.

A casa da catequese:
Foi inaugurada em 1982. Esta foi construída com a ajuda de todos os habitantes e cristãos. A sua construção teve como finalidade a melhoria das condições das crianças da catequese.

O pelourinho:
O pelourinho da Barosa, está situado no adro da igreja. Foi construído em 1940, em comemoração dos 300 anos da independência de Portugal em 1640.

In Arquivo Paroquial, Monografia da Barosa, Manuela Ribeiro, Manuela Melo, Lígia Fragoso, 1983/84.
In Arquivo Paroquial, Irmandade de Nossa Senhora do Rosário da freguesia da Barosa, 1892.
 

Mensagens populares deste blogue

Vamos dizer 'ADEUS' ao Papa Francisco

Os próximos dias 12 e 13 de maio vão ser memoráveis e vão ficar para a história. Por isso não podemos ficar de fora.
Quem puder ir a Fátima... VÁ! Não se vão arrepender!

Para quem não conseguir ir a Fátima e quiser dizer adeus ao Papa Francisco o Papa, no dia 13 vai regressar a Monte Real de carro, saindo da A17 nas Várzeas (EN109) seguindo até à Base Aérea pela variante que circunda a Vila de Monte Real.
Proponho que a nossa paróquia tenha um ponto de encontro comum para saudarmos juntos o Papa: na rotunda que se encontra entre a rotunda que sai para o centro de Monte Real (bombas da GALP) e a rotunda que tem saída para a Vieira. É fácil chegar: indo sempre pela "estrada do campo" até virar à direita na Rua Porto Ribeiro, à entrada da localidade da Serra de Porto de Urso. AQUI está o link com o mapa (https://goo.gl/maps/4w8wBYMhf862) e vejam as indicações na imagem abaixo (a partir da igreja da Barosa).
A hora para o encontro na rotunda: 13h00 (hora prevista para a saída do Pap…

Festa de S. Mateus | Gratidão ao Pe Ramos

A festa de S. Mateus de 2017 chegou ao fim. Para além de todo o programa de animação que juntou milhares de pessoas, e envolveu toda a comunidade na preparação e dinamização, houve também os momentos de maior espiritualidade.
Destacou-se a procissão de velas na quinta-feira e a Missa e procissão de Domingo.  A Eucaristia de Domingo foi presidida pelo padre António Ramos, pároco da Barosa entre 1973 e 1985. A comunidade quis convidar o Pe Ramos para presidir à Missa da festa do padroeiro da paróquia ainda na sequência da celebração dos 50 anos de sacerdócio. Foi a forma de a paróquia o felicitar e agradecer a sua dedicação à Barosa durante 12 anos.


O Pe Ramos alegrou-se por constatar a vitalidade da paróquia, recordando que "quando entrou na paróquia em 1973, na Missa apenas comungaram 3 pessoas".  Recordou os momentos difíceis passados na paróquia por altura do 25 de abril de 1974 e a prioridade que deu à organização da catequese e formação de catequistas. Dois membros da c…

Jovens da paróquia foram a Taizé

Na semana passada um grupo de 17 jovens das paróquias da Azoia e da Barosa foi em peregrinação a Taizé, em França, onde existe uma comunidade religiosa de irmãos que procura promover um espírito de paz e de partilha a partir da fé cristã. O testemunho da Cláudia Silva, da Azoia ilustra bem a experiência ali vivida: Estamos felizes!
É difícil começar este texto de outra forma, pois esta é a verdade. Trazer Taizé e o que se vive lá até vós não é fácil, arriscaria mesmo dizer impossível, mesmo assim, vou partilhar um pouco convosco desta alegria.. Taizé é mágico, tem algo de especial não definido em palavras, lá intensifica-se a simplicidade da nossa vida que nos faz próximos e felizes. Os espaços de oração, a beleza dos cânticos, símbolos, gestos e o silêncio ensurdecedor são fascinantes fazem nos próximos, fazem encontrarmo-nos.
É arrepiante a quantidade de jovens tão diferentes, mas tão iguais e com um único objectivo..
Como é bom desprender-nos da correria incessante dos nossos dias, e…