quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Jovens da Barosa: missionários da misericórdia


Para ilustrar mais um desafio vivido pelos jovens da Barosa, numa experiência de voluntariado com doentes mentais, nada melhor que um testemunho na primeira pessoas, da Andreia:


"O tão esperado regresso ao Telhal ocorreu de dia 18 a 21 de dezembro, onde mais uma vez aceitamos o desafio e fomos rumo a esta casa, que nos recebe sempre de braços abertos. Dividiram-nos por diferentes unidades consoante o nível de dependência dos utentes, sendo estas Stº Agostinho, São Rafael, Sagrado coração de Jesus, Stº António e Frei júlio.

Foi no telhal que revi utentes que me marcaram na minha primeira visita, e assim matei a saudade que viveu comigo até este regresso. É no telhal que aprendemos a viver de uma forma simples, sem máscaras, podemos aprender o verdadeiro significado de dar e a felicidade que um simples ato como um sorriso pode trazer aos utentes desta casa, que retribuem este gesto em dobro fazendo com que nos sintamos especiais, pois é verdade o que dizem, nesta casa recebemos muito mais do que o que damos, os pacientes desarmam-nos e marcam-nos de uma maneira tão especial que é impossível esquecermo-nos deles. É no Telhal que pude viver o verdadeiro espirito do natal e recuperar valores esquecidos que esta data apela, a partilha, o sorriso, a importância de um ombro amigo, a importância de nos darmos ao outro, pois não estamos sozinhos no mundo e por vezes esquecemo-nos disso, a reunião e por fim a importância da família, são estas coisas simples e bastante importantes que os utentes nos ensinam de uma forma comovente, mudando a nossa perspetiva sobre o mundo e tornando-nos melhores pessoas. Esta casa pode ensinar-nos muito desde que estejamos dispostos a escutar.
E assim foram quatro dias na Casa de Saúde São João de Deus, em que aprendi, fui cativada pelos utentes e cheguei a conclusão que realmente é esta a minha vocação. Agora resta-me esperar por um regresso rápido a este sítio que me deixa tão feliz."
Andreia Correia







sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Um jipe para a Missão do Gungo | Cavalinho Branco



Formato mais breve do vídeo:


O Grupo Missionário Ondjoyetu, é um grupo da diocese de Leiria-Fátima ao qual estou ligado há mais de 15 anos e desenvolve a sua acção essencialmente na Missão do Gungo, um território muito isolado com cerca de 25 mil habitantes, no interior a cerca de 130 quilómetros da cidade do Sumbe, em Angola. Para irmos junto destas populações quase esquecidas de Angola, só conseguimos fazê-lo por meio de jipe, percorrendo várias dezenas de quilómetros em "picada" (estrada de terra batida) com acessos difíceis.

Neste momento temos ao dispor um jipe, carinhosamente apelidado de “Cavalinho Branco”, com quase 10 anos e mais de 300.000 quilómetros de missão cumprida. Torna-se, portanto, necessária a aquisição de outra viatura, equivalente, para dar continuidade ao trabalho de desenvolvimento humano sustentável realizado pelos missionários da diocese de Leiria-Fátima.

Neste verão estive pela 3ª vez a este lugar tão especial, onde as pessoas simples e pobres, nos enchem o coração com a sua fé e alegria transbordante – sobretudo as crianças – e testemunhei o “cansaço” do nosso Cavalinho Branco. A nossa paróquia vai ajudar a comprar o novo jipe para a Missão e quem sabe se um dia não poderás ser tu a conduzi-lo, como missionário junto daquelas pessoas que precisam tanto da nossa ajuda!


A campanha consiste na entrega de uma fotografia do Cavalinho Branco sem cor, com 49 quadrículas e, por cada oferta de 0,50€, a pessoa tem direito a colorir a imagem com um autocolante, dando assim mais cor à nossa missão.


Para conhecer melhor e outras formas de ajudar:

Abraço e Feliz Natal
Pe André

Mensagens populares